Profissão: cidadão estudante, será que pega?

Lucas: Oi, Nestor, estou como uma dúvida. Nas aulas, mais de uma vez, os professores insistem em dizer que nós não somos apenas estudantes, mas cidadãos cuja profissão atual é a de ser estudantes! Sou, então,  um profissional pela metade se, como estudante, pago, nos eventos, ingresso de estudante?

 

Nestor: Lucas, oportuna a sua questão. Os professores têm razão em afirmar que o estudante, como cidadão, é um profissional do estudo, do aprender, do saber e não apenas um estudante provisório!

 

Veja quantas notícias são divulgadas, recentemente, pelos jornais, revistas e noticiários na TV sobre a falta de profisisonais para várias profissões, no mercado de trabalho brasileiro. E como sobram diplomados!

 

O que deixa o Brasil preocupado, olhando através do conceito de Empregabilidade (estar sempre apto para um novo trabalho), é a quantidade de oportunidades que o mercado brasileiro, em especial da Região Metropolitana de São Paulo, oferece para estágio e emprego, mas que, infelizmente, muitos estudantes não atendem aos requisitos das vagas e são reprovados no processo seletivo. O diploma sozinho não concorre para a vaga!

 

Lucas: Isto é terrorismo, Nestor! Mas o que é que tem que ver a vaga com o ser profissional estudante?

Nestor: tem tudo a ver, Lucas. É profissional aquele que realiza um trabalho reconhecido e valorizado pela sociedade. Veja, então, como o estudo bem feito e o conhecimento bem assimilado leva ao amadurecimento na profissão, com o passar de cada semestre do curso, promovendo em você e nos seus colegas a formação do cidadão profissional como estudante competente.

 

O profissional  estudante não perde tempo, oportunidades e informação! É organizado ao compor e guardar, cuidadosasmente, os arquivos e demais recursos utilisados das matérias estudas. Trabalha por metas e prioridades a serem atendidas, por semestre: aprender  bem uma lingua estrageira, dominar aplicativos de informática, desenvolver a capacidade de escrever, ampliar a cultura pessoal com leituras, viagens, participação em eventos etc.  tudo isso direcionado para o sonho futuro, saindo de profissional estudante para profissional formado. Estes hábitos se carrega para a vida toda! Deu para entender, Lucas?

 

Lucas: sim, Nestor. Gostei, mas aonde entra então o ser cidadão? O estudante já  é um cidadão pleno, ou o é só pela metade?

 

Nestor: Esta é outra parte importante de sua dúvida inicial, Lucas. Não existe cidadão pela metade.  O que caracteriza um indivíduo ser cidadão  é ele praticar os  direitos oferecidos a todos de uma sociedade e cumprir os deveres cobrados por esta mesma sociedade a todos os seus membros, conforme suas leis.  O estudante tem direitos, mas tem, também, que cumprir seus deveres, conforme leis educacionais e o Manual do Estudante da Faculdade. A meia entrada é uma política de vantagem para estimular o estudante a participar, culturalmente, de eventos, sem onerar seus gastos que devem estar voltados, prioritariamente, para seus estudos, como cidadão estudante. Por falar nisso, como você está indo nos seus estudos? Seu comportamento é o de um cidadão profissional que estuda?

 

Lucas:  Nestor, legal suas abordagens. Elas me alertam para rever e melhorar meus compromissos como profissional que estuda e não simplemente como aluno de uma turma. Entendi que a profissão, bem ou mal formada fica comigo, mas a turma vai embora! Daí, a minha responsabilidade social em  agir como cidadão profissional  ainda estudando, para ser um bom profisional formado. Essa sua dica “pega legal”!